Quem não presta és tu

intro

 

  Este texto é para aqueles que estão infelizes numa relação ou que sempre tiveram uma vida amorosa deplorável e nunca conseguiram ser felizes com ninguém. Também é para aqueles que acabaram recentemente com alguém ou que queiram reconquistar o parceiro. Não importa os motivos que te levam a ser infeliz no amor, o que importa é que se não mudares, vais tornar-te uma pessoa triste e solitária.

  Mas como é que vais mudar, se não souberes o que tens de errado? Primeiro que tudo, a pessoa certa não existe. A pessoa errada não existe. O que existe são pessoas capazes de darem 100% de si para que as coisas deem certo. Ninguém encaixa na perfeição em ninguém. Ninguém nasceu para viver sozinho. O que impede o ser humano de ser feliz com alguém é o ego. Apenas isso. Sentimentos todos temos. Atrações e paixões também. Mas é o orgulho que estraga tudo. O orgulho pode fazer-te forte, mas não vai fazer-te feliz. Acredita. Onde o ego ganhou, o amor perdeu. Nunca deram as mãos, nunca tomaram café, nunca se deram bem.

  Por isso, começa por ser mais humilde. É o ponto de partida para qualquer mudança. Entende que precisas mudar, melhorar, evoluir, para que sejas feliz. Mudar em quê? Onde? Eu digo-te em quê e onde.

  És possessivo. Tens ciúmes gratuitos de todas as amigas do teu namorado? Cada SMS que a tua parceira recebe deixa-te em sobressalto? Queres sempre saber onde anda a tua cara metade? Exiges fazer parte de todos os projetos em que o teu homem entra? Então és uma pessoa controladora. E isso chama-se possessividade. Um dos principais inimigos de uma relação saudável. Ninguém é de ninguém. Tu não tens nem nunca terás o título de propriedade de ninguém. Por isso quanto mais rápido perceberes que a pessoa que está ao teu lado é livre de ficar ou partir, quanto mais rápido souberes que quanto mais a sufocares, mais infeliz ela será, melhor para os dois.

  Tens traumas. Mas não é de todo o tipo. São os traumas de relações anteriores. Já foste traído e por isso tens receio que a tua atual namorada te traia também. Já foste humilhada e maltratada e sempre que discutem, vem-te à memória que vai voltar a acontecer. Eu sei que não conseguimos apagar a memória, por mais que se carregue na palavra “esquecer”. Mas podemos controlar os medos. Eles existem, estão lá. Mas podemos vencê-los. Toda a gente merece uma oportunidade. Tu também. Os sofrimentos do passado fizeram-te crescer, e se quiseres, ao mínimo sinal de que a pessoa com quem estás é parecida com alguém que te fez sofrer muito, dá-lhe guia de marcha. Mas não prives o teu coração e o da pessoa que está contigo de viver a história que poderá ser a da tua vida. A vida toda.

  Não és feliz sozinho. Eu costumo dizer que “Procuro um homem que me faça feliz” é uma das maiores parvoíces que se pode dizer ou pensar. Não há ninguém neste mundo capaz de fazer alguém feliz. Anota. O que existe é alguém que seja capaz de ser feliz contigo. E é disso que tu precisas. De alguém que seja feliz contigo. Mas para isso é necessário que tu saibas ser feliz sozinha. Tens de te conhecer a ti própria. Tens de saber os teus objetivos de vida. Ou pelo menos de não cultivar dúvidas todos os dias, não saber o que te faz feliz. Porque se não souberes ser feliz sozinho, como é que o serás acompanhado?

  Tu mentes. Quantas caras tens? É que se mentes a toda a gente, a toda a hora, tens bem mais do que uma. E o pior é que mesmo as mentiras pequeninas te fazem mal. Porque acabas habituado à sensação de que “mentir para safar não faz mal”, “mentir às vezes é aceitável”. E mentiras pequeninas, tarde ou cedo causam grandes confusões. E quem já teve relações sabe que depois de uma mentira ser descoberta, mesmo que pequenina, a desconfiança acerca de todas as outras verdades entra em ação. E eu não preciso falar do papel amarrotado. Pois não?

  Tens dificuldade em ceder. Se as coisas não forem como queres, amuas. Só tu é que estás certo. Tens sempre razão, e mesmo quando sabes que não tens, não abdicas dela. Lamento dizer-te, mas tenho 80% de certeza que não irás ser feliz assim. As relações baseiam-se em confiança, verdade. Em partilha, verdade. Em afeto, verdade. Em companheirismo, também verdade. Mas enquanto não perceberes que relação também é sacrifício, não irás entender o seu verdadeiro conceito. Ninguém está certo a tempo inteiro, e mesmo se estiveres certo mais vezes do que o teu parceiro, aprende que aquele que ganhou a razão, perdeu a felicidade. Se te sentes bem em ganhar todas as discussões, se te sentes bem em fazer tudo da forma que queres, sem querer saber da vontade e da opinião do outro, fica sabendo que tarde ou cedo o outro vai deixar-te sozinha.

  A vossa relação tem mais do que dois. Não, não estou a falar de traição. Estou mesmo a falar da tua mania em contar os vossos problemas às amigas e aos amigos. Entende que se queres ser feliz e ter uma relação estável, tens de aprender a resolver os vossos problemas entre vocês. O único problema que deixa de ser só vosso e passa a ser de todas as outras pessoas são as agressões. Esse sim, deve ser partilhado, e rápido. Qualquer outro, deixa-o em casa, em vossa casa. As tuas amigas podem gostar muito de ti, mas não vivem com vocês. Elas irão apenas ouvir uma versão do problema, e todas as sugestões e conselhos que te irão dar será sempre nessa perspetiva. Até pode parecer-te o correto a fazer, mas lembra-te que as únicas pessoas que o vivem és tu e o teu parceiro. Não elas. E ainda por cima contas à Joana, que já teve 20 namorados, à Sofia que nunca teve um, à Rita que vive a chorar. Cuidado com conselhos de como ser feliz vindos de pessoas que não o são. Cuidado.

  Não namoras com objetivos. Só queres saber de saídas à noite, de festas, de bebidas e outras coisas. E ainda por cima pensas que vais encontrar a tua cara metade nesse ambiente. Até pode acontecer, mas usar isso como tática de vida é correr para a infelicidade. E depois não te valorizas. Achas que és mais homem porque do teu grupo de amigos eras o que levava mais raparigas para o quarto. Lembras-te dessa altura? Já viste onde estão eles hoje e onde estás tu? Onde te levou? E tu, que usas a desculpa do álcool para beijar qualquer boca? Não sentes nenhum desgosto nisso? Sentes-te preenchida em ir para a cama com um rapaz diferente todos os meses? Como assim, esse corpo é teu, se qualquer homem o pode ter? Há algum tempo atrás, estava na estação de metro à espera do transporte e ouvi duas amigas a conversar. Uma delas virou-se para a outra e disse: “Ah, eu gosto dele, mas não quero namorar muito tempo com ele, muito menos casar.” Na altura ainda era um pouco novo e não pensava muito nestas coisas. Mas comecei a pensar nisso. Porque é que as pessoas namoram com alguém se não têm o objetivo de ter a pessoa no futuro? Se namoras com alguém sem ter vontade de ficar com a pessoa para a vida, estás a namorar o parceiro de outra pessoa. Sabias disso? O problema de muitas pessoas é que todos os anos dizem “eu amo-te” a uma pessoa diferente e depois esperam ser amadas para sempre. Uma das coisas que faz de nós humanos é a capacidade que temos de escolher um parceiro para a vida. Namorar alguém apenas para viver momentos, fazer sexo e dormir de conchinha, é como dar murros na ponta da faca. Vais acabar frustrado. Vais acabar magoado. Vais acabar sozinho a repetir várias vezes para ti próprio que ninguém presta, mas no fundo tu sabes que na verdade, quem não presta és tu.

 

Rosdet Nascimento

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s